Boleto Minha Casa Minha Vida – Como Emitir (Gerar)

A Caixa Econômica Federal (CEF) é um órgão financeiro que em conjunto com projetos sociais do Governo Federal, comumente trabalha com variadas facilidades e benefícios, especialmente de origem residencial como o Boleto Minha Casa Minha Vida, de forma que possa melhorar o déficit habitacional que há com relação à moradia para a população brasileira.

Sendo assim, entre os mais importantes incentivos está o Programa Minha Casa Minha Vida, que oferta condições de financiamento residencial, próprios para famílias de baixa renda. Possuindo, dessa forma, tarifas de juros que estão bem abaixo do mercado, onde todos os contemplados devem quitar parcelas mensais de um determinado valor, podendo também emitir uma segunda via do boleto, se for necessário.

No entanto, o pagamento em dia do Boleto Minha Casa Minha Vida é fundamental para que juros e multas não sejam cobrados. Por isso, se por algum motivo o contemplado não estiver em posse de seu boleto original, sendo que a data de vencimento esteja chegando, esse é o momento de buscar outras opções.

Portanto, nesse artigo discutiremos algumas maneiras mais práticas de criar a segunda via do Boleto Minha Casa Minha Vida, assim o beneficiário não perderá os prazos, deixando as contas quitadas na hora certa, economizando ainda o que perderia quitando as tarifas de juros.

Então, para os interessados e contemplados que desejam saber mais e querem descobrir todas as maneiras de resolver esse problema, continuem a leitura do texto.

O Programa Minha Casa Minha Vida

Muitas pessoas têm dúvidas em relação ao funcionamento do Programa Minha Casa Minha Vida, onde nem sequer sabem que o projeto foi criado em 2009 pelo Governo Federal, cuja intenção principal era de simplificar o acesso à moradia própria para famílias de classes mais baixas. Entretanto, o programa segue algumas normas, claramente especificadas.

O Programa Minha Casa Minha Vida oferta, através do financiamento, a chance de pessoas conseguirem a casa própria por meio de pequenas tarifas de juros, além de parcelas que não sobressaem aos rendimentos do mês. Dessa maneira, entre as possibilidades do programa estão às modalidades:

  • Habitação Urbana.
  • Habitação Rural.

Em que para a primeira opção, os ganhos mensais devem ser de até R$7000,00, onde existem grupos separados em três categorias diferentes, com condições que variam conforme as variações do acordo e também os rendimentos. Portanto, a renda do interessado não pode passar do valor máximo.

Sendo assim, para indivíduos com rendimentos de até R$1800,00 há a chance de a Caixa Econômica financiar a habitação sem juros ligados ao financiamento. Porém, com o passar dos anos o programa sofreu algumas mudanças. Onde desde o começo de 2018, por exemplo, o Minha Casa Minha Vida também atende famílias com ganhos de R$9000,00 mensais. A diferença, no entanto, está na aplicação das taxas de juros gradativos conforme for à renda mensal.

Quanto menor for à renda do candidato, menor serão os juros, que podem ficar entre 0 e 9,16%. Na tabela abaixo, pode-se analisar alguns exemplos de rendimentos familiares mensais ligados às tarifas de juros aplicadas a elas:

Faixa Renda Máxima em R$ Taxa de Juros em %
1 1800 0
1,5 2600 5
2 2600 5,5
  3000 6
  4000 7
3 7000 8,16
  9000 9,16

Contudo, em relação à Habitação Rural, é preciso ter rendimentos de até R$78000,00 ao ano, também divididos em três categorias com possibilidades e condições diferenciadas em cada faixa.

Já entre os requisitos para fazer parte do programa, estão às parcelas da moradia, que não podem ser mais do que 30% do valor dos ganhos familiares no mês, além do lugar realmente ser usado com a finalidade de moradia. Sendo assim, para solicitar o cadastro, inicialmente tenha em mãos um comprovante de ganhos e a documentação de identificação oficial.

Atualizações no Programa MCMV

Antes das mudanças, os ganhos chegavam ao teto de R$7000,00 e a faixa de 1,5 não existia. Mas essa alteração proporcionou um crescimento significativo dos beneficiários do programa, o que por consequência aumentou também a adesão por parte das famílias.

As tarifas de juro do financiamento, contudo, não tem ligação com as taxas mencionadas que são cobradas no atraso do Boleto Minha Casa Minha Vida. Por isso, se o beneficiário deixar o boleto em atraso, mesmo que a tarifa de juros já esteja incluída no financiamento, haverá uma cobrança maior. Os valores dos juros em atraso, habitualmente não são altos. Sendo um percentual relacionado ao valor da prestação. Porém, o acumulo de atrasos ao longo do período pode acabar ocasionando o gasto de muito dinheiro do orçamento, tentando controlar o prejuízo pelo deslize feito.

Por esse motivo, é crucial aprender a criar a segunda via do Boleto Minha Casa Minha Vida, pois só assim é possível manter as finanças em dia, atualizadas sem perder dinheiro por culpa de problemas que podem ser resolvidos com simplicidade.

Onde Emitir o Boleto Minha Casa Minha Vida

A Caixa Econômica Federal tem por habito o envio da via original do Boleto Minha Casa Minha Vida pelos correios. Entretanto, variados contratempos podem ocorrer com ele. Por isso, é sempre oportuno conhecer quais são as alternativas disponíveis para a emissão de uma segunda via.

Se você já é um contemplado do Programa Minha Casa Minha Vida, tem conhecimento que o pagamento mensal das prestações da residência é feita através do boleto. Visando a praticidade, numa maneira mais fácil de acesso por parte dos beneficiários, que podem quitar a parcela tanto pela internet, quanto nas agências da Caixa e outras principais redes bancárias do país.

Dessa forma, caso o contemplado não tenha recebido o boleto mensal, ou ainda, tenha perdido, é possível emitir uma segunda via do boleto para se precaver do pagamento de multas e taxas de juros pelo atraso. Para isso, será preciso acessar o site oficial da Caixa, onde deverá informar alguns dados, que se estiverem corretos, farão aparecer o histórico das parcelas. Depois disso, é só requisitar a do mês em questão para fazer o pagamento.

Como Emitir o Boleto MCMV Passo a Passo

Pessoas que não receberam o Boleto Minha Casa Minha Vida da Caixa, devem adotar a melhor solução, que é conseguir uma segunda via pela internet. Porque a agência oferta uma segunda via do documento até para aqueles beneficiários que não possuem uma conta bancária.

Onde o contemplado poderá também conseguir o boleto através do aplicativo de celular, pelo telefone, computador ou com o auxilio de um funcionário da Caixa numa agência da rede bancária.

Com estas informações em mãos, bastará optar por um dos métodos de preferência e maior aptidão para poder gerar um novo boleto com facilidade.

Portanto, acompanhe em detalhes como emitir um boleto do Minha Casa Minha Vida no site oficial da Caixa. Onde com essas instruções será possível criar 2ª via de boletos de todos os contratos, inclusive do programa de habitação. Sendo assim, o interessado deverá:

1 – Acessar o site oficial da Caixa.

2 – Escolher a opção Produtos.

3 – Onde em Para Você, deverá optar por Habitação.

4 – No canto direito, onde está à pergunta “Tem um financiamento?” Deverá clicar em Serviços para você.

5 – A partir daí, o interessado deverá responder os seguintes campos, clicando Ok no final.

  • Número contrato Caixa: você pode localizar no topo do seu último boleto – formato 999999999999 (sem dígito).
  • CPF/CGC: 99999999999 (sem ponto e traço).
  • Informações adicionais para segurança, tais como: Nº do documento de Identidade, Dia Assinatura do contrato, CEP, Telefone Residencial, Ano do Nascimento etc.

6 – No canto superior direito, haverá uma mensagem de Boas Vindas com o nome do beneficiário, dia e horário de acesso.

7 – O contemplado deverá então, clicar em Segunda Via de Carnê, sempre lendo as instruções que forem apresentadas.

8 – Nesta tela serão mostrados os Dados do Mutuário e Dados da Prestação para checar. Onde clicando em Ver Prestação: Dados do Mutuário aparecerá.

  • Contrato: Nº do contrato – formato 9.9999.9999.999-9
  • Nome do mutuário: Nome completo
  • CPF do Mutuário: CPF do contrato – formato 999.999.999-99
  • Endereço: Dados do Endereço do imóvel
  • Cidade/UF: Cidade e Estado do imóvel
  • Bairro: Bairro do imóvel
  • CEP: CEP do imóvel

Dados da Prestação

  • Prestação: Número da prestação
  • Vencimento: Dia de vencimento da prestação
  • Valor: Valor da prestação (A + J)
  • FGTS: Valor da parcela do FGTS em utilização se for o caso
  • Acessórios: Seguro e taxas
  • Valor a Pagar: Valor total da prestação a ser paga

9 – Ao clicar, o boleto será aberto, sendo assim, imprima se for preciso.

Demonstrativos de Pagamento Não Recebidos

A agência da Caixa não envia mais automaticamente o boleto para contemplados com escolha de pagamento de débito em conta. Dessa forma, o beneficiário tem diversas outras opções de adquirir o boleto de pagamento, assim como, outros serviços para o contrato de moradia, de acordo com o demonstrado anteriormente.

Contudo, caso deseje continuar recebendo o boleto no endereço de correspondência, o interessado deverá procurar por um agente de relacionamento direto na agência bancária.

Como Reconhecer o Número do Contrato no Boleto

No boleto há muitas informações, como:

  • Número contrato Caixa.
  • Extrato de Evolução do saldo devedor.
  • Extrato de Evolução FGTS na prestação.
  • Descrição dos 12 últimos pagamentos efetivados.
  • Demonstrativo do Encargo do Mês.

Valor Devido e Valor Pago

Na lacuna “Descrição dos últimos 12 pagamentos” feitos, o beneficiário poderá notar dois valores: Valor Devido e Valor Pago. Onde o que difere o valor devido do valor pago nos encargos do mês, aparece no campo Total Diferença Atualizada.

Já na lacuna “Demonstrativo do Encargo do Mês”, mostrará o item Diferença Prestação Emitida destacando o valor acumulado das diferenças conferidas em relação à emissão do boleto.

Ressaltando que o campo Diferença Prestação Emitida tem o valor acumulado de diferenças nos encargos mensais apurados no contrato. Sendo que, essa diferença pode ser a cobrar ou a devolver:

  • Pode vir de um pagamento feito fora da data de vencimento, cobrando os juros moratórios, multa, juros remuneratórios e atualização da diferença conferida.
  • Pode ser em relação à mudança da faixa etária do seguro residencial de morte e invalidez permanente – MIP ou de acerto de cadastro no contrato.

Lembrando também que, para gerar o Boleto do Minha Casa Minha Vida, seja primeira ou segunda via há normas envolvendo o número de prestações em atraso e ainda alguns impedimentos para a livre emissão.

Exemplo: Contratos em execução são proibidos de emitir boleto. Devendo aparecer à mensagem – “Situação especial impeditiva”. Não é possível a emissão, procure uma agência da Caixa.

O valor do boleto será o da data de emissão, não sendo, portanto possível atualizá-lo pela internet. Para conseguir o Boleto Minha Casa Minha Vida, basta ligar ainda para os números de telefone:

  • 3004-1105 em capitais e regiões metropolitanas.
  • 0800-726-0505 para outras regiões.

No atendimento automático, entre as opções, a de habitação fica no número 7.

Simulação pelo Caixa Habitação

Antes da participação no programa, o interessado pode por meio de uma simulação no Caixa Habitação descobrir quanto será o valor do financiamento, além das parcelas. Dessa forma, ele ficará sabendo quantas prestações precisará quitar, além de todas as condições que envolverão seu caso.

Para isso, o candidato deverá apenas acessar o site da Caixa, se direcionando a página do simulador. Precisará ainda, informar todos os dados pedidos, ordenando a simulação a seguir.

2ª Via de Boletos da Negociação de Dívidas

É importante saber como gerar um boleto em caso da negociação de dívidas do financiamento Minha Casa Minha Vida. Então, se isso está acontecendo com algum contemplado, ele deve descobrir como regularizar o pagamento das prestações atrasadas, sem correr o risco de perder a moradia.

Por isso, ao realizar um financiamento residencial é fundamental ter consciência de que todas as parcelas do crédito precisam ser quitadas em dia, onde se houver atrasos, o beneficiário corre o perigo de ter o nome negativado e ainda perder a habitação.

Referente ao Minha Casa Minha Vida, além do risco de ter a casa tirada, o contemplado também perde o direito de utilizar o programa para fazer qualquer outro financiamento no futuro. Inclusive porque os juros são menores, fazendo a dívida ser bem menor em comparação com outros financiamentos.

O projeto é muito buscado por pessoas sem residência, então quem conseguiu fazer parte do programa, deve se esforçar para mantê-lo com as prestações em dia.

Mas caso isso tenha sido impossível de ocorrer, por imprevistos ou alguma confusão com as contas, não resta outra solução que não seja renegociar e imprimir um novo boleto, que deve ser pago na data prevista, para que o problema não se arraste.

Portanto, para usar o serviço é preciso acessar o link da Caixa – http://www.caixa.gov.br – se direcionando a seguir ao boleto necessário. Informe os dados pedidos, escolha o mês correspondente e efetue o pagamento. Caso ainda tenha algum problema com o boleto expedido, é fundamental a solicitação da segunda via para evitar o pagamento de novas multas.

A Caixa Econômica auxilia seus clientes com várias facilidades, principalmente aqueles que usam qualquer um dos programas residenciais financiados pela instituição. Sendo assim, quem quer saber mais, ou ainda tem dúvidas deve acessar os canais de atendimento, o site oficial ou uma agência mais próxima da localização.

Saldo Devedor do Financiamento Habitacional

O saldo devedor do financiamento residencial não é calculado multiplicando o preço da parcela/encargo pela quantidade de meses a quitar. Pois se trata da dívida a pagar, que é corrigida de tempos em tempos. Dessa maneira, o saldo devedor no período de construção é feito das prestações do financiamento liberadas devidamente.

Atualizando financeiramente conforme o indexador decidido no contrato (normalmente a TR). Assim, o saldo devedor vai ficando maior de acordo com a evolução da obra e a liberação de novas prestações. Em consequência, as taxas de juros contratuais aumentarão à medida que as parcelas sejam liberadas.

2ª Via de Recibo Caixa – Habitação

Também na página oficial da Caixa, ainda na opção de boletos, o interessado conta com o auxilio da emissão de boletos que a agência disponibiliza, sendo possível emitir o recibo de pagamento de qualquer um dos pagamentos realizados, além das opções de renegociar a dívida e microcrédito.

Parcelas do Minha Casa Minha Vida nas Lotéricas

Não é somente nas agências bancárias que o Boleto Minha Casa Minha Vida pode ser pago, pois desde 2017 as parcelas de financiamento do programa podem ser quitadas nas lotéricas sem a necessidade de boleto.

Onde a Caixa autorizou as Casas Lotéricas a fazerem o pagamento eletrônico, sem o uso do documento impresso dos contemplados pela Faixa 1 do programa. Essa possibilidade deu aos beneficiários do Minha Casa Minha Vida uma grande comodidade, porque quitar as prestações ficou muito mais fácil.

Falando de modo prático, a ordem dispensa os contemplados da Faixa 1 de mostrarem o boleto bancário impresso, utilizando apenas o CPF e o código do beneficiário. No entanto, o pagamento das parcelas ainda pode ser realizado em toda a rede bancária através da apresentação do boleto de pagamento, assim como pelo Internet Banking Caixa, pelos terminais de autoatendimento da agência e pelos correspondentes Caixa Aqui.

Sendo assim, a partir daquele ano os beneficiários puderam quitar até três parcelas diretamente nas lotéricas, sem a necessidade de apresentarem uma segunda via. A medida foi tomada em função do alto índice de requerimentos da segunda via do boleto, onde havia uma grande procura desse documento nas agências da Caixa, concentrada especialmente na Faixa 1 do projeto.

Dessa forma, pensando em ofertar maior comodidade aos clientes, foi liberada essa maneira de pagamento, não apenas para a modalidade do Minha Casa Minha Vida, mas também para os demais produtos de crédito residenciais do banco.

Descobriu como pagar as parcelas do Programa Minha Casa Minha Vida da melhor maneira, usando ou não boletos? Então, agora saiba em que fase do programa você está, para não perder a oportunidade de comprar sua casa própria, mantendo-a em dia através do artigo sobre habitação urbana.

Compartilhar é se importar!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para o topo